Razão Social: Centro de Formação Espiritual Águas de Aruanda
CNPJ: 021.469.181/0001­70

End: Av. João José de Santana, 1216 - Robalo - CEP: 49005-050 
Aracaju - SE

  • Facebook Social Icon
  • Admin

O divino aterramento - parte 3



Para melhor explicar o divino aterramento vou indicar alguns exemplos e facilitar a percepção: há pessoas que precisam do aterramento por crenças e rituais que invocam potências energéticas da terra para melhor sobrevivência nesse planeta, bem como claustro absoluto de contato com o mundo externo mesmo vivendo no mesmo planeta dos muitos. Contudo, há pessoas que mesmo de forma inconsciente são aterradas no projeto Terra de forma leviana e escravizadora, assim como ocorre com o dinheiro. São pessoas que somente vivem em todas suas emoções diante da estabilidade inatingível financeira, inerente do ser humano em formação constante. Nada pode ser perfeito, mesmo ainda quando a criatura não lembre do porquê existencial. Não se trata de bandeiramento de nenhuma crença, muito menos de justificativas do porquê uns seguirem uma vida na carne com mais devotamento e prática do que outros. Trata-se de um endividamento adquirido pelo não relampeio dos objetivos a serem atingidos por ordens da inteligência suprema desperdiçada com devaneios muito da crosta primitiva da Terra. Algumas criaturas vivem no claustro por opção aparente, mas quando na realidade, a grande força manipuladora do Universo resguarda a essas pessoas a diariamente seguirem em devotamento constante, emanando egrégoras energéticas para contribuição no sustentáculo do eixo Terra. Outros seguem em sacerdócios como avatares na carne distribuindo saberes, experiências e virtudes oriundas do divino. Tantos outros buscam em artes sagradas oriundas de tribos para acessos imediatos aos Planos sutis, porém muitos se perdem no caminho pelos apegos em demasia com os que ficam para trás, pessoas e coisas. Na viagem do divino aterramento não há opção para voltar ao deixado e, caso essa seja a opção, o caminho construído é deixado no esquecimento em respeito à grande lei do livre arbítrio. O divino aterramento não é um ensinamento muito difícil de se entender, mas requer um despertar real da consciência visando atingir ondas eletromagnéticas cerebrais e ativar célula por célula do corpo enrijecido por práticas e hábitos errôneos das culturas Terra. Em verdade, no princípio a natureza regia a orquestra dos ditames energéticos sustentadores de Terra, até que a vaidade e ganância dos avatares começaram a transviar os objetivos inebriados por estruturações egoicas. Pouco a pouco a verdade e a realidade primária foi sendo deixada para trás e o dito como não dito foi sendo desconfigurados por ilusões fora da realidade. Diante dessa afronta, a grande inteligência universal resguardou em portais blindados de interferências o saber primário da criação quântica em cristais encrostados sob a superfície pisada pelos ditos julgadores e dominadores da ordem planetária. Nada sairá como o almejado sem antes as criaturas despertarem para o grande poder internalizado pela última chance de transcender. Uns de forma inconsciente seguem com boas ações sem bandeiramentos institucionais, outros com o sacerdócio para a ativação do cristal internalizado em cada avatar adormecido no real caminho. Todos são dotados de tempo para plantarem o necessário garantidor da permanência material no projeto Terra e paralelo a isso, seguir na redescoberta dos saberes universais. Prender-se às expectativas de outrora não servirá de muletas para ninguém. O medo se alastra como erva daninha encrostadora das consciências levianas e fracas de acreditar em poderes reais e demonstrados cada vez mais pela magia e pela quântica. Não há mais tempo para pensar na opção de ser aterrado divinamente ou não. Essa escolha ficou para os ancestrais já feitos a passagem de retorno ao Cosmos e que seguem de forma diferente o despertar aqui descrito. Em todas as estruturas emanando reais energias do bem possuem mentores guias mestres para que aquilo produzido seja direcionado para os lares quânticos de onde quer que o nível das consciências estejam plantadas. O projeto Terra segue em frequências conscienciais fracas de robusteza real para a implantação dos órions sutis nas criaturas na carne. Tais órions sutis são cápsulas de tamanho microscópico, mas com o poder de um verdadeiro gigante atômico produzindo energia capaz de inebriar multidões. Colocar-se à disposição da grande inteligência universal não segue como suficiente, deve-se executar o plano divino para o aterramento de si, sem apegos dos “meus” e transmutar para dos “nossos”. As guerras já acontecem há muitos anos e todos ficam no aguardo de uma terceira guerra oficialmente declarada, mas… É só olhar para sua realidade próxima e entenderá o que estou tentando explicar. A humanidade – criaturas investidas na carne terrena – segue ao arrepio das leis cósmicas marchando para tão somente o agora irreal, com preocupações fúteis e egoicas. O sutil da vida ainda não embrutecidos por conceitos equivocados está guardado na grande caixa de Pandora oriunda da história deixada por magos e lendários guerreiros iluminadores das mentes usadas de forma precipitada e desonrosa. A palidez das multidões dopadas em remédios rápidos segue como planos maléficos para melhor manipulação para a não evolução do espírito mesmo na carne. Os acessos passam a ficar esquecidos e colocados como coisas inatingíveis, enfraquecendo o exército de deus – força una e presente como chama que arde inexplicavelmente dentro de cada avatar terra. Aos descrentes, mesmo diante da recusa de crer em forças superiores, o divino aterramento segue transviada no materialismo demasiado e seguem nos aterros de si e aprisionamentos das próprias consciências fúteis de respaldo para tamanha inteligência superior a deles. Reverência, somente. Criaturas buscam superar a grandiosidade cósmica, revestidos em medos do momento da “morte”, preferindo acreditar que do nada vieram e ao nada retornarão e que não possuem propósitos de vida, mas somente objetivos de acúmulos de riquezas. A juventude mediúnica de alguns em nada influencia a primazia dos trabalhos empreendidos com robusteza de fundamentos e provas inequívocas da presença de um divino aterramento ativado, desmanchando práticas primitivas de negociadas aprendidas no passado e colocadas em zumbis reprodutores do que não sabem manipular diante do desejo ao imediatismo. Meu profundo lamentar diante dessas criaturas que vivem na morte e morrem a cada dia desperdiçando para verdadeiramente auxiliar o outro de verdade sem trapassas e atalhos desonestos. Preguiçosas criaturas que pensam em manipular o outro por magias irreais e fúteis de energias inteligentes, invocando o encrostamento sutil para respaldar a força sangrenta derramada para os fins que não justificam mais os meios empreendidos para alcances egoicos. Levantar da embusteza e seguir na verdade é desconfigurar conceitos e não temer o que seguirá como diretriz para o momento presente e segundo posterior. Verbalizar bons teoremas e pensamentos pode parecer muito inteligente, mas avalio como ininteligível tal prática vazia e preguiçosa de formular seus próprios conceitos do que sente, presencia e acredita de verdade. Não é o fim de muita coisa, contudo, é o início das ativações dos que quiserem de verdade seguir com o divino aterramento respeitado diante do trabalho a ser executado pelo dignos trabalhadores da seara divina. Com isso, práticas de invocação de entes já não mais na carne para doutrinação mostra-se desatualizado diante de tarefas com maior inteligência a seguir diante do equilíbrio planetário e sutileza das consciências dos seguidores. Não precisa mais de engessamentos de consciências, libertem-nas para a liberdade inerente de cada criatura e sem mais doutrinação do irreal. A primeira doutrinação deve ser de cada criatura no introspecto para seu divino aterramento mediante reflexão das tarefas empreendidas para melhor atender não mais somente a si, mas para auxílio dos muitos, sem encrostar criaturas com fabulosos poderes de transformar realidades. Cada um com suas escolhas, mas a verdade é distribuída para o todo e não guardada aos escolhidos. Uns com cabrestos, outros com dogmas ultrapassados, outros na preguiça ritualística, tantos outros reprodutores de escritos iniciáticos engessados na verdade irreal absoluta. O planeta dá uma volta diária diante do seu próprio eixo, mas as criaturas não se apercebem que nessa imediata volta muitas coisas podem ser desconstruídas e desmistificadas. O temor de recalibrar os conceitos antes aprendidos não tem espaço para aqueles que escolheram expandir infinitamente a consciência até os patamares ainda desconhecidos. Não há divino aterramento para quem tem medo de mudança. Servir ao divino Poder, sem olhar para trás e, se for tentado em olhar para trás, olhe com indiferença e aprendizado sem nada mexer no Eu já seguidor de outras hostes. As implantações dos órions sutis seguem com rapidez diante da maciça abertura planetárias às preocupações conscienciais para melhor leveza na passagem pelo projeto Terra. Não prefiro os bonzinhos aos maldosos, nem os cabisbaixos aos empinados, confio nos verdadeiros e canalizadores infindáveis das ordens divinas aterradas. Mais verdade e deixem o medo na história contada sem respaldo, amolde-se ao novo. Você merece.


31 visualizações